EUA e Talibã assinam acordo de paz histórico

Tratado prevê retirada de todas as tropas americanas do Afeganistão e abre caminho para encerrar 18 anos de guerra no país

Por Harlis Barbosa 02/03/2020 - 08:21 hs

 

Os governos dos Estados Unidos e do Afeganistão anunciaram neste sábado (29/02) que preveem uma retirada completa das tropas americanas e de outros países da Otan baseadas no país da Ásia Central dentro de 14 meses.

A medida faz parte de um acordo histórico que foi assinado hoje em Doha, no Catar, entre os EUA e o grupo islâmico Talibã. O secretário de Estado dos EUAMike Pompeo, e líderes do Talibã participaram da cerimônia.

A iniciativa pretende pôr fim a 18 anos de conflito no Afeganistão. Cerca de 3.500 militares dos EUA e de países da coalizão liderada pelos americanos morreram no país desde 2001. O envolvimento americano no país teve início após os atentados de 11 de Setembro, conduzidos pela rede terrorista Al-Qaeda, à época baseada no Afeganistão.

Como parte do acordo, o número de militares estrangeiros no Afeganistão será reduzido de cerca de 14 mil para 8.600 até julho deste ano. O restante da retirada será feito de forma gradual ao longo dos meses seguintes, caso o Taliba cumpra sua parte no acordo.

"A coalizão completará a retirada de suas forças restantes do Afeganistão dentro de 14 meses após o anúncio desta declaração conjunta e do acordo EUA-Talibã... sujeito ao cumprimento pelo Talibã de seus compromissos sob o acordo EUA-Talibã", afirmou o comunicado conjunto divulgado pelos americanos e afegãos.

Caso ocorra um retorno da violência no país, o processo poderá ser interrompido.

O presidente afegão, Ashraf Ghani, declarou que alguns pontos no pacto entre os EUA e o Talibã precisarão de "consideração" e serão discutidos com o grupo islâmico. "Esperamos que o acordo leve a um cessar-fogo permanente", declarou.

Já o secretário-geral da OtanJens Stoltenberg, afirmou que a aliança está preparada para "ajustar e reduzir" sua presença no país. No entanto, ele também frisou que, se a situação na região eventualmente piorar, os membros da aliança podem voltar a aumentar sua presença.

"A paz é longa e dura e precisamos nos preparar para retrocessos e dificuldades", disse Stoltenberg.

Em discurso pouco antes da assinatura, o secretário de Estado dos EUAMike Pompeo, pediu para que o Talibã corte quaisquer laços com a rede Al-Qaeda e que continue a combater os terroristas do Estado Islâmico. "Continuem comprometidos com o acordo, sentem-se com o governo afegão, e a comunidade internacional estará pronta para retribuir", declarou Pompeo. "Estamos à beira de uma oportunidade histórica de paz", disse Pompeo.

O acordo vinha sendo negociado há um ano e meio.

Na sexta-feira, o presidente dos EUADonald Trump, pediu que os afegãos "aproveitem a chance de paz". "Se o Talibã e o governo afegão conseguirem cumprir seus compromissos, teremos um caminho claro para acabar com a guerra no Afeganistão e levar nossos soldados para casa", disse Trump.

Em setembro do ano passado, Trump chegou a cancelar abruptamente as negociações em resposta a um ataque em Cabul que matou um americano, mas o processo acabou sendo retomado no final de novembro, após uma visita do governante ao Afeganistão.

Finalmente, em 22 de fevereiro, os talibãs implementaram uma redução da violência durante sete dias, um teste para o compromisso com o processo de paz exigido por Washington e pelo governo afegão, que foi excluído das negociações.