COLNIZA

Oskana Masters tem medalhas paralímpicas no remo, no esqui cross country e no biatlo. Após passar em branco na Rio 2016 buscará primeiro pódio nos Jogos no ciclismo adaptado

Vítima de Chernobyl luta por vaga em Tóquio 35 anos após desastre nuclear

Publicados

em

Foto Internet

O espírito de sobrevivência e competitividade foi forjado na marra. Vítima da radiação nuclear quando ainda era um feto no útero, Oksana Masters superou as más formações físicas para construir uma trajetória vitoriosa no esporte paralímpico e na vida. Trinta e cinco anos após o desastre de Chernobyl, a ucraniana naturalizada americana prova diariamente que é a responsável por traçar o próprio destino. E espera que a próxima parada seja nos Jogos de Tóquio.

O ciclismo é o único esporte no qual Oksana competiu nas Paralimpíadas e – ainda – não conquistou uma medalha. Em Londres 2012, no remo, foi bronze ao lado do parceiro Rob Jones. Nos Jogos de Inverno foi muito vitoriosa. Em Sochi 2014 e PyeongChang 2018 mostrou todo o potencial ao conquistar cinco medalhas no esqui cross-country (dois ouros uma prata e dois bronzes) e duas pratas no biatlo.

Essa polivalência é reflexo da personalidade de quem desde cedo precisou lutar além do esporte. Natural de Khmelnytskyi, Oksana nasceu com uma série de más formações nos membros inferiores e nas mãos devido à exposição radioativa sofrida por sua mãe biológica após o desastre nuclear de Chernobyl. Ela foi entregue para adoção e viveu em orfanatos até os sete anos, quando foi adotada pela americana Gay Masters.

Leia Também:  Prefeito Milton Amorim e Marco Antônio pedem mais 5% ao Legislativo Municipal.

Na época Oksana apresentava sinais de desnutrição aguda e sofria com dores severas nos membros inferiores. Ao receber os devidos cuidados médicos recebeu a notícia de que o melhor seria amputar a perna esquerda. Quatro anos mais tarde também amputou a direita, ambas acima do joelho. Passou ainda por cirurgias nas mãos, uma vez que não tinha polegares.

Em meio a tanta dor e tantas transformações, o esporte se apresentou como ferramenta de reabilitação e de libertação. O primeiro contato foi com o remo, pouco antes da segunda amputação.

– Quando eu estava na água comecei a sentir uma liberdade e um controle que foi tirado de mim tantas vezes no meu passado. Descobri rapidamente que quanto mais eu me esforçava, mais forte, mais rápida e mais no controle eu ficava. Meu corpo respondia à dor com mais força e propósito. Eu empurrava e a água e ela me empurrava de volta – disse, em entrevista à Populous Magazine.

A dedicação à levou ao bronze nos Jogos de Londres. Diante de uma lesão nas costas, Oksana decidiu abandonar o remo. Mas, aos 22 anos, sabia que ainda poderia buscar novos rumos como atleta. Se arriscou tanto nos esportes de inverno quanto no ciclismo adaptado e somou mais três participações olímpicas.

Leia Também:  Africanos dominam São Silvestre com recorde de Jemima e sprint de Aleme

Na Rio 2016, a ucraniana/americana bateu na trave. Terminou em quarto lugar no ciclismo estrada e em quinto lugar no contrarrelógio. Para Tóquio ela ainda não tem vaga garantida. Voltou a competir na modalidade apenas em meados de abril. E espera conseguir dar conta de todas as variáveis.

– Por ser uma atleta de dois esportes, de duas temporadas (inverno e verão), é realmente, realmente desafiador porque em vez de ter 12 meses de Tóquio para Pequim terei apenas 6 ou 7 meses para a mudança. Meu foco no momento é estar em Tóquio e ainda não estou classificada – disse, em entrevista ao site do Prêmio Laureus.

Oksana recebeu o troféu do Laureus em 2020, em sua terceira indicação. Foi o reconhecimento pela excelente temporada que teve em 2019 nos esportes de inverno. De volta ao “modo verão” e ao ciclismo, alguém duvida do quão longe ela ainda pode ir?

 

Fonte: GE/RJ

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESPORTES

Copa América no Brasil?

Publicados

em

Foto Internet

As discordâncias entre os depoimentos da infectologista Luana Araújo e da oncologista Nise Yamaguchi foram destaque na CPI da Covid, no Senado.

Na economia, o PIB (Produto Interno Bruto) registrou alta de 1,2% no primeiro trimestre de 2021 em comparação com os três últimos meses do ano passado. Mas a polêmica ficou por conta da decisão de realizar a Copa América no Brasil, de 13 de junho a 10 de julho.

O comando do Exército anunciou nesta quinta-feira (3) que o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, não sofrerá punição por ter participado de um ato com o presidente Jair Bolsonaro. Dois dias após a manifestação, ele foi nomeado secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Após desistência da Colômbia e da Argentina, o Brasil foi anunciado pela Conmebol como sede da Copa América, prevista para começar no dia 13 deste mês.

A informação foi confirmada no dia seguinte pelo presidente Jair Bolsonaro. O torneio não terá público, contará com dez times e será dividido entre Brasília, Cuiabá, Rio de Janeiro e Goiânia.

A final, marcada para 10 de julho, deve acontecer no Maracanã, assim como na edição de 2019. Mas o anúncio provou polêmica, por causa da pandemia de de covid-19.

Sob pressão por causa dos números da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro realizou um pronunciamento na cadeia nacional de rádio e televisão.

Ele voltou a defender ações do governo federal para acelerar a vacinação e citou a marca de 100 milhões de doses da vacina contra a covid-19. Durante o discurso, diversas capitais brasileiras registraram panelaços.

Em mais uma semana marcada por depoimentos na CPI da Covid, a oncologista Nise Yamaguchi negou ao colegiado que participou de um suposto “gabinete paralelo” para decisões e aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro em temas relativos à pandemia.

Leia Também:  Italo, Filipinho e Medina avançam na reabertura do Circuito Mundial de surfe na Austrália

Ela também contradisse o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta sobre suposta tentativa de alterar a bula da cloroquina.

Convocada para falar na CPI após permanecer por apenas 10 dias no Ministério da Saúde, a infectologista Luana Araújo fez críticas duríssimas ao uso da cloroquina e ao tratamento precoce para tratar a covid-19. Segundo ela, o uso do medicamento aumenta em 77% o risco de óbitos em pacientes com a doença.

A atividade econômica no Brasil superou as expectativas e avançou 1,2% no primeiro trimestre de 2021, na comparação com o período entre outubro e dezembro do ano passado.

O dado positivo, divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), aponta que o PIB (Produto Interno Bruto) retomou ao patamar pré-pandemia, após três trimestres positivos. O governo comemorou o resultado.

A China confirmou primeiro contágio humano no mundo da cepa H10N3 de gripe aviária.

Um homem de 41 anos deu entrada em um hospital, apresentando febre, na cidade de Zhenjiang, no leste chinês, em 28 de abril, e foi diagnosticado com o vírus um mês depois, declarou a Comissão Nacional de Saúde chinesa (NHC) em comunicado.

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) recebeu os bancos de células e vírus para a produção do IFA (insumo farmacêutico ativo) 100% nacional para a vacina contra covid-19, da AstraZeneca. A previsão é que em outubro comecem a ser distribuídos os imunizantes fabricados na Bio-Manguinhos.

O Brasil terminou maio com média de 524,8 mil doses de vacinas contra covid-19 aplicadas diariamente (16,27 milhões, no total), conforme dados do Ministério da Saúde. É praticamente a metade do patamar desejado por Marcelo Queiroga.

Cálculos feitos pelo R7 apontam que o país levaria 353 dias para administrar os 185,1 milhões de doses necessárias para imunizar os 92,5 milhões de cidadãos que ainda não receberam a segunda injeção ou nenhuma das duas.

Leia Também:  Com um superávit primário acima de 4 milhões no primeiro quadrimestre Colniza já emite bons sinais.

Estudo publicado na revista Nature revelou, pela primeira vez, que pessoas que contraíram a doença de forma ligeira ou moderada desenvolvem uma célula imunológica capaz de produzir anticorpos contra o SARS-CoV-2 para o resto da vida. Uma das observações em pessoas infectadas mostra que o nível de anticorpos começa a diminuir após quatro meses .

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) divulgou na quarta-feira (2) o edital com as datas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2021.

Os estudantes terão do dia 30 de junho a 14 de julho para fazer a inscrição.

O valor da taxa é de R$ 85 e deve ser pago até o dia 19 de julho. As provas serão realizadas nos dias 21 e 28 de novembro conforme o ministro da Educação, Milton Ribeiro, havia antecipado.

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) antecipou a realização da primeira fase do vestibular para o dia 7 de novembro. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (2) após a divulgação do calendário do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). O período de inscrição começa no dia 2 de agosto.

O MEC (Ministério da Educação) abriu as inscrições para a primeira fase do Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira) 2021. Os interessados tem até o dia 11 de junho para fazer a inscrição. O exame será realizado no dia 5 de setembro.

O MEC (Ministerio da Educação) está oferecendo 136 cursos gratuitos na modalidade EAD (Educação a Distância) por meio da plataforma digital Avamec (Ambiente Virtual de Aprendizagem).

A UFF (Universidade Federal Fluminense) reduziu o número de convocações de estudantes em lista de espera no primeiro semestre letivo deste ano. A instituição informou que a decisão foi tomada para que o calendário, impactado pela pandemia, seja cumprido.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

COLNIZA

CIDADES

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA