COLNIZA

MATO GROSSO

Mato Grosso arde em chamas e fogo destrói lavouras, fardos de algodão já colhidos e maquinários.

Publicados

em

Dois
incêndios registrados nesta sexta-feira (14) no interior do estado destruíram
plantações de algodão e uma colheitadeira de uma das fazendas atingidas. Um
deles no Distrito de Deciolândia, em Diamantino, e outro, em Sapezal.

 

Sobre o incêndio em Sapezal, o Corpo de Bombeiros informou que uma
equipe de Campo Novo do Parecis está se deslocando para o local. Uma aeronave
particular de pequeno porte está dando apoio no combate ao fogo.

Ainda não se sabe como teria começado o incêndio e o valor do prejuízo.
No entanto, estima-se que as perdas são milionárias.



 

Em Deciolândia, o vento fez que as chamas se espalhassem rapidamente
pelas lavouras de algodão da Fazenda Terra Santa. No local, o fogo também
destruiu um maquinário.

Funcionários de outras fazendas próximas da região deram apoio no
combate às chamas usando caminhões-pipa.

 

O outro incêndio ocorreu na Fazenda Três Lagoas, em Sapezal. Além das
lavouras, o fogo destruiu fardos de algodão já colhidos.

Os próprios funcionários tentam controlar as chamas até a chegada do
Corpo de Bombeiros do município vizinho, Campo Novo. Não há informações sobre o
tamanho da área já destruída.

 

Queimadas em MT



 

De 1º a 10 de agosto, foram 11.770 focos de calor em MT, sendo que 81,5%
em propriedades particulares

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) informou que já foram
arrecadados R$ 16 milhões por crimes ambientais (flora, fauna e
empreendimentos), de janeiro a julho deste ano.

Leia Também:  Sindicato Rural não realizará Exposerra em 2018

Até julho de 2020, segundo a secretaria, foram aplicados R$ 14,6 milhões
em multas por queimadas, em Mato Grosso.


Fonte = TV Centro América

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO

Saiba como comunicar a venda e transferir a propriedade do veículo durante a pandemia

Publicados

em

Foto Internet

Quem está vendendo o veículo neste momento de suspensão temporária do atendimento presencial do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) em razão do novo Coronavírus, pode fazer a comunicação obrigatória da venda em 40 cartórios que estão interligados ao Detran-MT. CONFIRA AQUI A LISTA DOS CARTÓRIOS

Já o comprador do veículo, que deseja fazer a transferência de propriedade mesmo durante a pandemia, pode procurar algum despachante credenciado ao Detran-MT (LISTA DOS DESPACHANTES CREDENCIADOS) para fazer o serviço e realizar a vistoria do automóvel junto às empresas de vistoria veicular credenciadas na Autarquia. LISTA DE EMPRESAS DE VISTORIAS CREDENCIADAS.

“Essa é uma forma alternativa do cidadão realizar o serviço de compra e venda do veículo mesmo durante o período de pandemia do novo Coronavírus, em que muitas unidades do Detran se encontram com o atendimento presencial suspenso temporariamente no Estado”, ressaltou o presidente do Detran-MT, Gustavo Vasconcelos.

Como fazer

Ao vender o veículo, o proprietário e o comprador devem assinar o Certificado de Registro do Veículo (CRV) no campo de “vendedor” e “comprador” e reconhecer firma em cartório. Em seguida, o vendedor deve solicitar a cópia autenticada do documento, frente e verso, e pode comunicar a venda no cartório credenciado ao Detran-MT.

Leia Também:  Nove mil servidores da Capital e do interior trancam a Avenida do CPA em protesto pela RGA

O valor para comunicado de venda em cartório é de R$ 67,09; sendo R$ 44,40 referentes à taxa da Anoreg e R$ 22,69 de taxa do Detran-MT. Após a compensação da taxa, a ativação do comunicado de venda será automática.

O comprador, por sua vez, fica com o CRV original e pode procurar um despachante credenciado ao Detran-MT para fazer a transferência de propriedade e a vistoria do veículo, junto às empresas credenciadas pelo Detran-MT de vistoria veicular, inclusive, solicitando o atendimento de vistoria veicular domiciliar, sem sair de casa.

O despachante contratado fará todo o procedimento até a entrega do documento final ao comprador.

Por que comunicar a venda

A comunicação de venda do veículo, além de ser um procedimento obrigatório do proprietário vendedor, previsto no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), também é uma forma do vendedor se proteger do recebimento de pontuações de eventuais infrações cometidas pelo comprador e também de débitos gerados a partir da venda do veículo.

Já quem comprou o veículo precisa realizar a transferência de propriedade dentro do prazo estipulado pelo CTB, sob pena de multa. Todavia, o Detran-MT ressalta que o prazo para realizar a transferência de propriedade do veículo está suspenso pela Resolução n° 782 de 18 de junho de 2020, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), em razão da proliferação do contágio do novo Coronavírus em todo País.

Leia Também:  Inspeção resgata 14 trabalhadores em condições análogas a escravidão em MT

“Ou seja, quem vender seu veículo neste momento poderá fazer a comunicação da venda em algum dos 40 cartórios associados ao Detran e quem comprou o veículo usado estará com prazo suspenso temporariamente para realizar a transferência de propriedade, conforme a Resolução do Contran”, explicou o diretor de Veículos do Detran-MT, Augusto Cordeiro.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

COLNIZA

CIDADES

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA