COLNIZA

OPINIÃO

Assistência Social em Colniza distribui cestas básicas nesta páscoa, e abraça a todos sem aglomerar.

Publicados

em

Imagem Ilustrativa

Durante toda esta semana que antecede ao o dia “D” da Páscoa a Secretaria Municipal de Assistência Social, se preocupou em como levar um pouco mais do seu peculiar calor humano a aqueles que são carentes, e buscam rotineiramente amparo naquela Secretaria.

A Secretária Marley de Paula e sua equipe com limitações impostas pela pandemia, neste momento em que a aglomeração é uma das principais formas de contagio, descartou um evento onde a confraternização que sugere a Páscoa fosse motivo de discórdia, mas mantiveram ativos todos os trabalhos que prestam todos os dias do ano.

 

A Assistência Social que tem como diretriz os princípios básicos descritos no Artigo sexto da constituição e emenda 64 de 2010, alavancou o “Programa de Distribuição de Sextas de Alimentos” durante toda esta semana, na tentativa de garantir o alimento para a população em situação de risco social, que enquadrem nos critérios de atendimento do programa, que é desenvolver atividades de promoção humana com vistas à qualidade de vida.

Leia Também:  Vereador Aguinaldo acerta com o Deputado Carlos Avallone parceria que irá fomentar o esporte em Colniza.

A Secretária agradeceu ao Prefeito Milton Amorim e ao vice Marco Antônio o apoio direcionado a aquela secretaria neste momento difícil para todos, e garantiu estar sempre e juntamente com a sua equipe engajada em projetos sociais que visem inserir as famílias carentes naquilo que possa gerar trabalho e renda.

 

 

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

OPINIÃO

Putin assina lei que pode mantê-lo no poder até 2036

Publicados

em

Foto Internet

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou nesta segunda, 5, a lei que abre caminho para que ele concorra a mais dois mandatos, permitindo que ele permaneça no poder até 2036. A mudança na Constituição russa já havia sido aprovada em referendo, no ano passado, e pelo Parlamento, em março.

Putin, de 68 anos, está no poder desde dezembro de 1999, quando foi escolhido como sucessor pelo então presidente Boris Yeltsin, que havia renunciado – ele foi oficialmente entronizado na chefia do Kremlin em março de 2000.

Se permanecer no cargo por mais dois mandatos, Putin terá ficado 36 anos à frente da Rússia, ultrapassando Josef Stalin, que comandou a União Soviética por 29 anos. O atual presidente russo, que constantemente é fotografado sem camisa montando um cavalo ou pescando na Sibéria, teria então 83 anos ao deixar o poder – se é que isso acontecerá de fato um dia.

PUBLICIDADE

A Constituição da Rússia sempre proibiu o terceiro mandato consecutivo. Tanto que Putin, em 2008, após ter sido reeleito em 2004, fez uma malabarismo político e colocou na presidência seu aliado, Dmitri Medvedev. Nos bastidores, porém, ele fortaleceu o cargo de primeiro-ministro, criado por ele para continuar comandando o país.

Leia Também:  Vereador Aguinaldo acerta com o Deputado Carlos Avallone parceria que irá fomentar o esporte em Colniza.

Quando acabou o mandato de Medvedev, em 2012, Putin voltou ao Kremlin para mais um mandato, agora ampliado de quatro para seis anos. Desde que foi novamente reeleito, em 2018, especulava-se sobre qual seria a manobra de Putin para driblar a Constituição uma segunda vez. A resposta foi o referendo de julho de 2020.

Aprovado por quase 78% dos russos, a votação foi cercada de denúncias de fraude e zerou a contagem de mandatos, permitindo que Putin concorresse em 2024 – e novamente em 2030. A nova lei faz parte de uma série de outras emendas constitucionais.

A reforma constitucional foi aprovada no momento em que o presidente russo atingiu uma popularidade de cerca de 60%, de acordo com pesquisa do Levada Center – um número historicamente baixo, principalmente em razão da pandemia, da desaceleração da economia e das reformas sociais impopulares de 2018.

Para os críticos, o pacote de mudanças foi, na verdade, uma cortina de fumaça para que ele pavimentasse o caminho para se tornar “presidente vitalício” da Rússia. “Que sigam adiante com a lei que concede a vida eterna ao presidente”, ironizou no Twitter Yevgeni Roizman, um dissidente russo e ex-prefeito de Yekaterinburgo.

Leia Também:  Espólios do amor

Entre outras reformas constitucionais sancionadas ontem estão o fortalecimento do poder do presidente, a especificação do casamento como uma união entre “um homem e uma mulher” e a introdução do termo “fé em Deus” na Constituição como valor fundamental do país.

O líder opositor Alexei Navalni, preso desde janeiro, havia definido o referendo de 2020 como “uma enorme mentira”. Já a ONG Golos, especializada no monitoramente de eleições, denunciou a votação como “um atentado sem precedentes à soberania do povo russo”.

EUA e UE declaram apoio à Ucrânia

Uma grande mobilização militar russa na fronteira da Ucrânia elevou a tensão na região. Os EUA e a União Europeia prometeram apoio a Kiev, no caso de agressão de Moscou. O governo americano pediu ontem que a Rússia “explique as provocações” aos ucranianos. Os europeus expressaram “grande preocupação” com a mobilização na fronteira. O Kremlin, no entanto, disse que suas tropas “não representam ameaça” à Ucrânia. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

COLNIZA

CIDADES

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA