COLNIZA

POLÍTICA

Comissão de Saúde ouve prefeitura de Araraquara (SP) sobre medidas adotadas para combate à Covid-19

Publicados

em


Foto: Marcos Lopes

A Comissão de Saúde, Previdência e Assistência Social da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) recebeu, nesta terça-feira (13), a secretária municipal de saúde de Araraquara (SP), Eliana Honain, e o secretário de assistência social, Marcelo Mazeta, que apresentaram as medidas adotadas no município para combater o avanço da covid-19 e que resultaram na redução de 75% dos óbitos no período de 1º de março a 04 de abril de 2021 e de 70% dos novos casos de 15 de fevereiro a 4 de abril.

Segundo Eliana Honain, que também é coordenadora do Comitê Municipal de Contingência da covid-19, as primeiras medidas tomadas em março de 2020 incluíram a capacitação das equipes da Atenção Primária e a criação de um fluxograma de manejo clínico de pacientes que apresentavam sintomas respiratórios ou síndrome gripal.

Para atendimento desses pacientes, seis unidades de saúde passaram a funcionar em horário estendido e equipes se dividiram para realização de visitas semanais em Instituições de Longa Permanência de Idosos (ILPI) e repúblicas de idosos, centros de ressocialização, penitenciárias, visitas domiciliares a idosos e casos de maior vulnerabilidade e de pessoas em situação de rua, com o objetivo de fazer a identificação precoce de casos. 

Uma parceria com a Universidade Estadual Paulista (Unesp) possibilitou a testagem dos pacientes que apresentavam sintomas e a divulgação dos resultados em até 24 horas. Aqueles que testavam positivo eram monitorados diariamente por telefone por uma equipe médica e os que faziam parte do grupo de risco recebiam visitas domiciliares para acompanhamento, sendo realizadas internações preventivas daqueles com idades a partir de 45 anos e/ou com comorbidades.

Outra medida destacada pela secretária foi a criação de um comitê científico, com participação de representantes de universidades, do Poder Público e de especialistas responsáveis pelo atendimento na rede pública e privada. “Esse comitê cientifico se reúne semanalmente e é ele que dá as definições para o prefeito em relação ao que precisamos fazer”, relatou Eliana.

O diálogo constante com representantes do setor empresarial e com a sociedade civil também foi apontada pela gestora como uma medida que surtiu resultados positivos. Em dezembro de 2020, o município possuía 8.327 casos e a taxa de letalidade era de 1,1%

Em fevereiro de 2021, após aumento considerável dos casos e identificação da variante P1 em 93% dos casos positivos, a prefeitura decretou lockdown por 10 dias e tomou providências como: ampliação das equipes de bloqueio, testagem de todos comunicantes em seus domicílios, disponibilização de unidade de isolamento para pacientes que não tinham condições de se isolar em casa, internação domiciliar e abertura de seus unidades de saúde em horário estendido para testagem de sintomáticos e comunicantes.

Leia Também:  Pessoas com autismo deverão ser cadastradas pelo governo de MT

“Instituímos ainda uma barreira sanitária na cidade. Todos que chegam têm que apresentar um teste negativo realizado nas últimas 48 horas. Caso não tenham, podem fazer na hora”, acrescentou a gestora. A vacinação, segundo ela, é realizada em seis locais de diferentes e o município conta ainda com duas unidades de drive-thru. 

Marcelo Mazeta, secretário de assistência social, destacou a criação de uma rede de solidariedade, que possibilitou a entrega de cestas básicas e produtos hortifrúti para pessoas autônomas que precisam se afastar de seus trabalhos, bem como de um 0800 para atendimento das demandas oriundas da população vulnerável, além da ampliação de programas de transferência de renda.

Os deputados presentes na reunião, Dr. João (MDB), Dr. Gimenez (PV), Lúdio Cabral (PT), Paulo Araújo (PP) e Dr. Eugênio (PSB), parabenizaram os gestores pelos resultados alcançados. “Percebemos que houve planejamento, gestão e engajamento da sociedade como um todo”, afirmou Dr. João, acrescentando que as informações serão analisadas pela comissão e levadas em consideração para apresentação de propostas para Mato Grosso.

Vacinação – Por sugestão do deputado Lúdio Cabral, a Comissão de Saúde irá apresentar um requerimento para convocação do secretário de Estado e de secretários municipais de saúde, bem como de representantes do Ministério Público Estadual (MPE), do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Mato Grosso (Cosems/MT) e de universidades para debater as estratégias de vacinação adotadas em Mato Grosso e propor soluções para resolver os problemas encontrados.

“Das vacinas que Mato Grosso recebeu até o dia 27 de março para aplicação da primeira dose, 68 mil doses não foram aplicadas ainda quando comparamos as resoluções com o painel do Ministério da Saúde. Do que o estado recebeu para aplicação da segunda dose até o dia 10 de março, 42 mil doses não foram aplicadas. O que aconteceu com essas doses? Essas doses estão armazenadas ainda? Está havendo perda de vacina?”, questionou.

Leia Também:  Faissal solicita médico legista ao município de Tangará da Serra

Projetos – Foram aprovados pareceres favoráveis a oito projetos de lei. São eles:

PL 959/2019 – Dep. Xuxu Dal’Molin – Dispõe sobre a criação do Banco de órtese, prótese e outros métodos auxiliares corpóreos para atendimento de pessoas com deficiência física no âmbito do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

PL 786/2020 – Dep. Dr. Gimezes – Autoriza o poder executivo a construir e/ou reaproveitar equipamentos públicos, com o fim de criar centros de reabilitação para pacientes curados da Covid-19.

PL 69/2021 – Dep. Valmir Moreto – Dispõe sobre a destinação imediata de medicamentos apreendidos pelas autoridades competentes no exercício do poder de polícia e dá outras providências.

PL 87/2021 – Depu. Dr. João – Dispõe sobre a Política Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional – PESAN – e organiza o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – Sisan – no âmbito do Estado.

PL 100/2021 – Dep. Silvio Fávero – Dispõe sobre a divulgação, pelos meios que especifica, de mensagem relativa às penas cominadas ao crime de maus tratos aos animais quando se tratar de cão ou gato, apontando formas para efetuar denúncias.

PL 106/2021 – Dep. Wilson Santos – Insere a cobertura de vacina contra o COVID-I9 como obrigação dos planos e seguro privados de assistência à saúde no âmbito do Estado de Mato Grosso,

PL 143/2021 – Dep. Wilson Santos – Disciplina penalidades pela simulação ná aplicação de vacina. Imunizante contra a COVID-19.

PL 180/2021 – Dep. Dilmar Dal’Bosco – Assegura atendimento espiritual, realizado por capelães de quaisquer ordens religiosas, cumprindo todos os protocolos de medidas preventivas necessárias para que as visitas em decorrência da pandemia do coronavírus – Covid-19 que as respectivas Diretorias Técnicas das Instituições de Saúde e autoridades sanitárias expedirem.

Os deputados também aprovaram parecer contrário ao PL 45/2019. Os PLs 1145/2019 e 1039/2019 serão arquivados a pedido do autor, deputado Dr. Gimenes. Os PLs 1283/2019, 1013/2020 e 103/2021 foram retirados de pauta a pedido dos respectivos relatores. Já o PL 5/2021 será apensado ao PL 560/2020, por tratarem de assuntos análogos.

O conteúdo e a tramitação dos projetos podem ser conferidos na página da Assembleia Legislativa pelo endereço https://www.al.mt.gov.br/proposicao/. 

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA

Deputado Claudinei visita Associação dos Pacientes Oncológicos de Rondonópolis

Publicados

em


Foto: SAMANTHA DOS ANJOS FARIAS

O deputado estadual Delegado Claudinei (PSL) esteve na sede da Associação dos Pacientes Oncológicos de Rondonópolis (APOR), nesta sexta-feira (7), para conhecer os trabalhos e projetos desenvolvidos pela instituição que atende a população das regiões sul e sudeste de Mato Grosso. O vice-presidente Adevaldo Narciso da Costa e a gestora Silvana Faustino Santana da entidade receberam e deram as informações necessárias ao parlamentar.

“Conhecemos os trabalhos preventivos que são feitos, exames como o ultrassom para prevenção ao câncer de mama, sendo que todos os encaminhamentos vão para a Santa Casa de Rondonópolis. Conhecemos toda a estrutura física, como a Casa de Apoio que tem poucos lugares para receber pacientes e familiares e os Centros de Imagens e Prevenção que garantem um atendimento humanizado ao público”, detalha Claudinei.

Casa de Apoio

De acordo com Adevaldo, a entidade é sem fins lucrativos, de caráter beneficente e assistencial, que depende do apoio voluntário e de parcerias para conseguir obter recursos para a manutenção do atendimento ao público. “Hoje, precisamos de uma Casa de Apoio com 60 lugares para abrigar os pacientes e familiares e contamos com o apoio do deputado Claudinei”, comenta o vice-presidente.

A atual Casa de Apoio da instituição existe desde 2010, com capacidade para abrigar 23 pessoas. Segundo Silvana, a APOR tem um projeto que foi orçado em R$ 1,6 milhões para a construção de um novo espaço, em terreno de cerca de 1 mil m², para ampliar a quantidade de lugares aos pacientes e familiares que não residem em Rondonópolis. “O espaço atual está sendo revitalizado e reformado com o apoio da Lions Clube de Rondonópolis. Só que o espaço é muito pequeno. Terminamos de pintar e colocamos móveis”, explica.

Leia Também:  Pessoas com autismo deverão ser cadastradas pelo governo de MT

“Vou continuar na luta para ter um espaço para atender este público que não mora em Rondonópolis e precisa ter assistência necessário para o tratamento oncológico. Com o Centro de Radioterapia da Santa Casa, o propósito é atender os municípios das regiões sul e sudeste, como, também, do Vale do Araguaia, que resultará em 25 cidades. Vamos buscar os recursos necessários, seja por meio da Assembleia Legislativa, emendas parlamentares e pelo Consórcio Regional de Saúde Sul de Mato Grosso (Coress)”, diz o parlamentar.

Estrutura

Silvana também apresentou o Centro de Imagens que é um espaço para a realização de mamografias, em que os pacientes recebem almoço e café da manhã, fazem consultas, biopsias e, conforme aqueles que realizam quimioterapia, a Associação providencia os cateteres.

Ela explica que, no ano de 2012, foi firmada a parceria com a Santa Casa de Rondonópolis, onde foi construído no segundo andar da unidade hospitalar 18 apartamentos, centros cirúrgicos, instalação de 42 leitos, aquisição de móveis e equipamentos que foram investidos pela Associação. “Agora, este andar atende casos de pacientes com Covid-19 e tudo foi restruturado para o terceiro andar. A parceria continua. O Centro de Prevenção, com fisioterapia, nutricionistas e psicólogo, agora é na APOR por causa da Covid-19. Antes era na Santa Casa”, esclarece a gestora.

Leia Também:  Faissal apresenta projeto que prioriza trabalhadores do comércio em vacinação contra Covid-19

Entidade – A APOR foi fundada em 2009 e é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip). Outros projetos que visam o acolhimento e atendimento humanizado pela instituição envolvem os trabalhos de voluntários como o projeto “Doutores da Alegria”, distribuição de cestas básicas, doação de cabelos para a produção perucas, prótese de silicone que são inseridos em sutiãs, lenços para a cabeça, entre outras iniciativas que visam contribuir com a auto-estima das mulheres. Neste ano, a unidade teve 20 novos casos de pacientes com câncer e 29 estão sendo acompanhados e foram diagnosticados no ano passado.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

COLNIZA

CIDADES

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA