COLNIZA

SAÚDE

Ômicron: Anvisa atualiza lista de restrições de voos para países da África

Publicados

em


source
Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia foram adicionados à lista
Agência Brasil/Fernando Frazão

Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia foram adicionados à lista

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, na noite de ontem (27), uma nota técnica complementar que inclui mais quatro países africanos na lista de restrição de voos e desembarque no Brasil . São eles Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia.

Segundo a agência, passageiros que estiveram nesses países podem ser portadores da variante Ômicron do novo coronavírus , que já foi identificada na Europa, mas que ainda não foi amplamente estudada. Para que a restrição de voo seja colocada em prática, a Anvisa depende de portaria conjunta com a Casa Civil, Ministério da Saúde e Ministério da Justiça e Segurança Pública.

A Anvisa já havia emitido nota técnica recomendando que visitantes da África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue não desembarcassem no Brasil. Outros países, como Estados Unidos, Inglaterra, Holanda e França já estabeleceram medidas similares.

variante Ômicron segue como alvo de pesquisas aceleradas em centros médicos e universidades da região sul da África, também conhecida como África Austral.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Queiroga diz que não é ‘despachante da Anvisa’ e elogia ministério

Publicados

em


source
Queiroga se diz confiante com o trabalho do Ministério da Saúde
Reprodução: iG Minas Gerais

Queiroga se diz confiante com o trabalho do Ministério da Saúde

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, rebateu críticas sobre a demora para o início da vacinação de crianças contra a Covid-19 e sobre a gestão dele à frente da pasta. Na avaliação do cardiologista, a pasta não precisa seguir todas as determinações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As declarações foram dadas neste sábado em entrevista à imprensa em João Pessoa (PB).

“Quantos medicamentos, dispositivos ou produtos têm registro na Anvisa e não fazem parte das políticas públicas? O Ministério da Saúde, o ministro da Saúde não é um despachante de decisão da Anvisa, nem de agência nenhuma. O Ministério da Saúde é quem conduz a saúde pública e o ministro da Saúde é a principal autoridade do sistema de saúde no Brasil”, argumentou.

Sob críticas diante do atraso da imunização de crianças de 5 a 11 anos, Queiroga minimizou o caso. O ministério liberou a vacinação do público infantil em 5 de janeiro, 20 dias depois de a Anvisa ter autorizado a aplicação de doses pediátricas da Pfizer no grupo.

Leia Também:  Santa Catarina libera uso de máscaras em ambientes abertos

“A história vai me julgar. Eu trabalho todo dia para que eu tenha um bom julgamento”, ponderou o ministro.

A crise entre a Anvisa, o Palácio do Planalto e o Ministério da Saúde tem escalado nos últimos meses. Tanto Queiroga quanto o presidente Jair Bolsonaro têm entrado em confito com o trabalho da agência, sobretudo após a liberação da vacina da Pfizer para crianças.

Leia Também

Na última semana, o mandatário cobrou o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, para apresentar um “antídoto” para possíveis efeitos colaterais das vacinas no público infantil. Antes, Bolsonaro já havia questionado o interesse da agência em liberar o imunizante, já chancelado pelo Food and Drugs Administration (FDA), dos Estados Unidos, e por diversas socedades médicas.

Em carta, o contra-almirante da reserva rebateu suspeitas e pediu que o presidente apresentasse provas caso tivesse informações sobre eventuais ilegalidades ocorridas na agência. “Se o senhor dispõe de informações que levantem o menor indício de corrupção sobre este brasileiro, não perca tempo nem prevarique, Senhor Presidente. Determine imediata investigação policial sobre a minha pessoa aliás, sobre qualquer um que trabalhe hoje na Anvisa, que com orgulho eu tenho o privilégio de integrar”, escreveu.

Leia Também:  Carnaval: capitais cancelam desfiles e blocos de rua devido à Covid-19

Vacinação de crianças

Davi Seremramiwe Xavante, de 8 anos, tem deficiência motora e foi a primeira criança vacinada contra a Covid-19 no Brasil na última sexta-feira. O garoto indígena recebeu a primeira dose do imunizante em um evento simbólico nesta sexta-feira no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP).

A primeira remessa de vacinas pediátricas da Pfizer, com 1,248 milhão de doses, desembarcou no Brasil na última quinta-feira. De acordo com o secretário-executivo da pasta, Rodrigo Cruz, o próximo lote de doses pediátricas, previsto para a próxima quinta, foi antecipado para este domingo. Ao todo, o ministério projeta a entrega, já confirmada pelo laboratório, de 4,3 milhões de imunizantes infantis em janeiro.

O ministéiro voltou atrás e desistiu de exigir prescrição médica para vacinar crianças. Conforme o anúncio da pasta, serão duas doses, com intervalo de oito semanas.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

COLNIZA

CIDADES

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA